Tropa de Elite - 1 & 2 (Elite Squad - 1 & 2): The disgusting portrait of Brazilian corruption right before your eyes.

This publication was also written in SPANISH and PORTUGUESE.

One of the things I admire most about Seventh Art is the freedom of speech and the maintenance of the inviolable right that is due to each of the professionals who work in this incredible world (be they directors, screenwriters, actors / actresses, producers, musicians, writers and other professionals). Everyone, each of them in their own way, endeavors to externalize their points of view through the most diverse types of subjects and even though this much dreamed (and inspiring) reality still has many obstacles to overcome... Definitely, everything it is much better than in previous decades (where the nefarious censorship attacked all projects that were "outside the standards" at the time). Fortunately things are changing... We live with a greater range of thoughts and because of that we have built a new (and strong) society.

elite_squad01.jpg

Behance | Globoplay

I chose Elite Squad (1 & 2) as the best Brazilian movies (in fact, they are just an option among so many other options, such as Central Station or City of God) because I want and need to criticize my country within this scope of corruption undeniable that has dominated the national territory for so many years. In the plot, the viewer follows the difficult work of Captain Nascimento, a member of the Special Forces of the Military Police of Rio de Janeiro (the state is part of the ranking that elects the group of the most corrupt states in the country), while he trains new recruits to succeed you in the near future. This is the starting point of the plot, which quickly delves into issues that are very urgent to the needs of a people that every day is neglected (in every possible way) by the country's political powers.

elite_squad02.jpeg

Medium

Diving into a sad (and profound) reality in Brazil, it was no accident that José Padilha (along with Rodrigo Pimentel and Bráulio Mantovani) opted for Rio de Janeiro. Every kind of idea that violates the most basic rights of the Brazilian people lives there, being fueled by a level of criminal practice that makes the most corrupt politicians in other countries jealous. A reality that is obviously not exclusive to Rio de Janeiro itself (because it affects the country in a generalized way, like an uncontrollable virus), but which gains more prominence due to this state being the main postcard that sells Brazil (touristically speaking, of course) to the international scene (using one of the Seven Wonders of the Modern World - Christ the Redeemer - and the beautiful beaches as main attractions). However, behind the scenes, corruption reigns.

elite_squad03.jpg

Onze de Maio

The trio of screenwriters (mentioned above) worked to create this movie based on the reports of former BOPE police officers. This unit is known to be (at least in theory) incorruptible and very violent in certain types of situations. In addition, they also used the real facts of corruption that plague Rio society in different layers (be it rich or poor in essence, because crime shows that it does not choose a side... it is the side that chooses it) and plays an explosion of indignation on the screen, where it is impossible not to feel disappointed to be part of this country (at least at some point, especially for those who live in the state of RJ, and feel everything that is being shown in the movie, in their own skin). It deals with the strong approach of true elements, which were cinematographically portrayed with the objective of causing discomfort.

elite_squad04.jpg

O Jornalismo no Cinema

From the highest echelon (which involves all members within the political scope), to a team that is seen as "subordinate" (basically, slum leaders), the script has no intention of easing either side, even because both work together and strongly reinforce the unbelievable level of corruption that exists in the country. While the political side articulates to achieve more power and dominate in the upper layers... On the opposite side, the force happens to dominate the lower layers (and that affect the majority of the population). However, at some point, these two sides need to find a way to come together, in order to be able to make more bold moves in an attempt to achieve higher flights. An act due to the pluralization of twisted ideas that they have in search of more and more power.

elite_squad05.png

Guia do Streaming

Gradually, the movie shows how Captain Nascimento and his recruits (especially Matias and Neto... because it is through their interaction that the plot gains more form and weight) to face the daily challenges of a profession that is extremely undervalued here in Brazil (and even in financial aspects, because low wages are an extra problem amid the problems, which seem to be endless). Everything starts to get worse when they realize that there is a real network of corruption happening right under their noses and as their reach is potentially dangerous for the entire state (and obviously for the country), they feel they have a duty to fight against this using their own weapons (fueled by the sense of justice that they demonstrate throughout the movie). This is the intersection point of the script, where everything changes.

elite_squad06.jpeg

Medium

Having to deal with both sides, Nascimento needs to balance the situation when facing what is a priority in his work (training recruits vs. fighting system corruption where he is only a "bait") and while in the first movie the focus was to show as was the operation of BOPE in its internal structure (with emphasis on training and fighting in the favelas), a wave of new events in the second movie embraces the issue of corruption, at the highest level (which is increasingly rooted with leaders of other instances, such as the spoken media), and at the same time, among the darkest corners of the favelas (involving government leaders inside and outside their official work activities). The movies are complementary, focusing on the saga and Captain Nascimento's determination to want to change the country's system, while trying to deal with his personal life.

elite_squad07.jpg

Guia do Streaming

In the two movies, the connection between the powers that act against the interests of the nation is notorious, and this is used very strongly within the script and makes us question how a system can and can be so dirty. At times, loyalty to events in the real world brings an atmosphere so real that "fiction" even seems like an exaggerated joke (but the main true is, reality is being told in the most brutal way with the intention of shocking the viewer) and that was thought of by a defeatist mind and that does not believe in the future of a country. The chemistry of a plot like this is explosive and during the two movies, between the great development that the characters are achieving (with Nascimento evolving from Captain to Head of State Security), and the inclusion of increasingly thorny aspects (reinforcing even more the thought that Brazil is really a country consumed by corruption), the chasm gets even bigger.

elite_squad08.jpg

CartaCampinas

Art "copies" life in a frightening way and everything gets even more tense because whoever lives in Brazil, knows that there is no exaggeration in everything that is being shown. Control in political instances in exchange for illicit favors, the sad reality of the favelas that need to submit to the leaders' commands to be able to buy food, gas or water, the deprivation that citizens have to accept around their own rights (just for attending to the wishes and greed of politicians), the hierarchical system within the police that privileges people in absurd and highly questionable situations (because they are obviously wrong, but that do not gain weight to be challenged by the weakest links... making a culture prevail at its base, listens only to the oldest officers) and the dramas of those who try to fight it.

elite_squad09.jpg

Fala! Universidades

Directed by José Padilha with a surgical skill (his view of the facts is brutal and engaging), Elite Squad has a great cast (which is led by Wagner Moura, showing an incredible acting power) and is also well produced in his technical aspects: the editing that the movies have is careful (and makes a point of linking events), the soundtrack is powerful and the action scenes are based on total realism (being even more thought-provoking for not using the technology apparatus that usually finds support in special digital effects... here, a sense of the real world is done with practical effects, such as shots and explosions). A true work of art that Brazil managed to make within the Seventh Art and who without a doubt to be appreciated anywhere in the world (both for its technical quality, as well as for its representativeness.

[ TRAILER: Elite Squad ]

[ TRAILER: Elite Squad - The Enemy Whitin ]

About the director:

elite_squad10.jpg

Folha UOL

José Padilha is an authentically Brazilian filmmaker. Born in Rio de Janeiro (in 1967), he started his career in Cinema in 1987 (as a producer) and it was in 2002 that he started to see his name projected with more emphasis within this market (with the launch of the movie Bus 174) and attracting the attention of many producers (who started offering him new scripts for him to direct). The stellar success came in 2007, after the release of Elite Squad (a success that won him many awards) and it happened again when he launched the sequel, in 2010. The international projection gained notoriety when he directed the new version of Robocop.

Graduated in Business Administration (PUC University), Padilha also added to his curriculum, Political Economy, Literature and International Politics (at the University of Oxford). All of this, combined with his technical knowledge of Cinema, make him one of the most influential and important names within Brazilian Cinema. No list (of good national directors) is fair and reliable if his name is not present, because he is really a director who needs and must be remembered. In addition to working as a director (including Documentaries and TV Series), his talents embrace the areas of production and script. A talent with the Brazilian stamp.

This post is my first entry in this contest , which has being promoted in a partnership between the OCD and Movies & TV Shows communities.


Tropa de Elite - 1 & 2 (Tropa de Élite - 1 & 2): El repugnante retrato de la corrupción brasileña ante tus ojos.

Una de las cosas que más admiro de Séptimo Arte es la libertad de expresión y el mantenimiento del derecho inviolable que se le debe a cada uno de los profesionales que laboran en este increíble mundo (sean directores, guionistas, actores / actrices, productores, músicos), escritores y otros profesionales). Cada uno, cada uno a su manera, se esfuerza por exteriorizar sus puntos de vista a través de los más diversos tipos de temas y aunque esta realidad tan soñada (e inspiradora) todavía tiene muchos obstáculos por superar... Definitivamente, todo es mucho mejor que en décadas anteriores (donde la nefasta censura atacaba todos los proyectos que estaban "fuera de los estándares" en ese momento). Afortunadamente las cosas están cambiando... Vivimos con una mayor variedad de pensamientos y por eso hemos construido una nueva (y fuerte) sociedad.

Elegí Tropa de Élite (1 & 2) como las mejores películas brasileñas (de hecho, son solo una opción entre tantas otras opciones, como Estación central de Brasil o Ciudad de Dios) porque quiero y necesito criticar a mi país en este ámbito de La corrupción innegable que ha dominado el territorio nacional durante tantos años. En la trama, el espectador sigue la difícil labor del Capitán Nascimento, miembro de las Fuerzas Especiales de la Policía Militar de Río de Janeiro (el estado forma parte del ranking que elige al grupo de los estados más corruptos del país), mientras entrena a nuevos reclutas para que le sucedan en un futuro próximo. Este es el punto de partida de la trama, que rápidamente se adentra en temas muy urgentes para las necesidades de un pueblo que día a día es descuidado (en todos los sentidos) por los poderes políticos del país.

Sumergiéndose en una realidad triste (y profunda) en Brasil, no fue casualidad que José Padilha (junto con Rodrigo Pimentel y Bráulio Mantovani) se decantara por Río de Janeiro. Allí vive todo tipo de idea que viola los derechos más básicos del pueblo brasileño, alimentada por un nivel de práctica criminal que pone celosos a los políticos más corruptos de otros países. Una realidad que obviamente no es exclusiva del propio Río de Janeiro (porque afecta al país de manera generalizada, como un virus incontrolable), pero que gana más protagonismo debido a que este estado es la principal postal que vende Brasil (turísticamente hablando, por supuesto) a la escena internacional (utilizando una de las Siete Maravillas del Mundo Moderno - el Cristo Redentor -, y las hermosas playas como principales atractivos). Sin embargo, entre bastidores reina la corrupción.

El trío de guionistas (mencionado anteriormente) trabajó para crear esta película basada en los informes de ex policías del BOPE. Se sabe que esta unidad es (al menos en teoría) incorruptible y muy violenta en cierto tipo de situaciones. Además, también utilizaron los hechos reales de corrupción que azotan a la sociedad carioca en diferentes estratos (ya sea rica o pobre en esencia, porque el crimen demuestra que no elige un bando... es el bando que lo elige) y juega una explosión de indignación en la pantalla, donde es imposible no sentirse decepcionado de ser parte de este país (al menos en algún momento, sobre todo para quienes viven en el estado de RJ, y sienten todo lo que se está mostrando en la película , en su propia piel). Es el acercamiento de fuertes elementos reales, que fueron retratados cinematográficamente con el objetivo de provocar malestar.

Desde el escalón más alto (que involucra a todos los miembros dentro del ámbito político), hasta un equipo que es visto como "subordinado" (básicamente, líderes de favelas), el guión no tiene la intención de aliviar a ninguno de los lados, incluso porque ambos trabajan juntos y refuerzan fuertemente el increíble nivel de corrupción que existe en el país. Mientras el lado político se articula para lograr más poder y dominar en las capas superiores... En el lado opuesto, la fuerza pasa a dominar las capas inferiores (y eso afecta a la mayoría de la población). Sin embargo, en algún momento, estos dos lados deben encontrar una manera de unirse para poder hacer movimientos más audaces en un intento por lograr vuelos más altos. Un acto debido a la pluralización de ideas retorcidas que tienen en busca de cada vez más poder.

Poco a poco, la película muestra cómo el Capitán Nascimento y sus reclutas (especialmente Matías y Neto... porque es a través de su interacción que la trama gana más forma y peso) para enfrentar los desafíos diarios de una profesión extremadamente infravalorada aquí en Brasil ( e incluso en el aspecto económico, porque los bajos salarios son un problema adicional en medio de los problemas, que parecen no tener fin). Todo comienza a empeorar cuando se dan cuenta de que existe una verdadera red de corrupción frente a sus narices y como su alcance es potencialmente peligroso para todo el estado (y obviamente para el país), sienten que tienen el deber de luchar contra esto. usando sus propias armas (alimentadas por el sentido de justicia que demuestran a lo largo de la película). Este es el punto de intersección del guión, donde todo cambia.

Teniendo que lidiar con ambos lados, Nascimento necesita equilibrar la situación al enfrentar lo que es una prioridad en su trabajo (entrenar reclutas versus combatir la corrupción del sistema donde él es solo un "cebo") y mientras que en la primera película el foco era mostrar Al igual que el funcionamiento del BOPE en su estructura interna (con énfasis en la formación y la lucha en las favelas), una ola de nuevos eventos en la segunda película abraza el tema de la corrupción, al más alto nivel (que está cada vez más arraigado con líderes de otros países). instancias, como los medios hablados), y al mismo tiempo, entre los rincones más oscuros de las favelas (involucrando a líderes gubernamentales tanto dentro como fuera de sus actividades laborales oficiales). Las películas son complementarias, enfocándose en la saga y la determinación del Capitán Nascimento de querer cambiar el sistema del país, mientras trata de lidiar con su vida personal.

En las dos películas, la conexión entre los poderes que actúan en contra de los intereses de la nación es notoria, y esto se usa con mucha fuerza dentro del guión y nos hace cuestionar cómo un sistema puede y puede ser tan sucio. A veces, la lealtad a los eventos del mundo real trae una atmósfera tan real que la "ficción" incluso parece una broma exagerada (cuando de hecho, la realidad se cuenta de la manera más brutal con la intención de escandalizar al espectador) y eso fue pensado por una mente derrotista y que no cree en el futuro de un país. La química de una trama como esta es explosiva y durante las dos películas, entre el gran desarrollo que están logrando los personajes (con Nascimento evolucionando de Capitán a Jefe de Seguridad del Estado), y la inclusión de aspectos cada vez más espinosos (reforzando aún más el pensamiento que Brasil es realmente un país consumido por la corrupción), el abismo se hace aún mayor.

El arte "imita" la vida de una manera aterradora y todo se pone aún más tenso porque quien vive en Brasil, sabe que no hay exageración en todo lo que se muestra. Controlar en instancias políticas a cambio de favores ilícitos, la triste realidad de las favelas que necesitan someterse a las órdenes de los líderes para poder comprar comida, gas o agua, la privación que los ciudadanos tienen que aceptar en torno a sus propios derechos (solo por satisfacer los deseos y la codicia de los políticos), el sistema jerárquico dentro de la policía que privilegia a las personas en situaciones absurdas y altamente cuestionables (porque obviamente están equivocadas, pero que no ganan peso para ser desafiadas por los eslabones más débiles ... haciendo una cultura prevalecen en su base, solo escucha a los oficiales más viejos) y los dramas de quienes intentan combatirlo.

Dirigida por José Padilha con habilidad quirúrgica (su visión de los hechos es brutal y cautivadora), Tropa de Élite tiene un gran elenco (que está liderado por Wagner Moura, mostrando un increíble poder actoral) y también está bien producido en sus aspectos técnicos. : la edición que tienen las películas es cuidada (y hace hincapié en la vinculación de eventos), la banda sonora es potente y las escenas de acción se basan en el realismo total (siendo aún más sugerente por no utilizar el aparato tecnológico que suele encontrar apoyo en efectos especiales digitales... aquí, se hace un sentido del mundo real con efectos prácticos, como disparos y explosiones). Una verdadera obra de arte que Brasil logró hacer dentro del Séptimo Arte y que sin duda alguna para ser apreciada en todo el mundo (tanto por su calidad técnica, como por su representatividad.

Sobre el director:

José Padilha es un cineasta auténticamente brasileño. Nacido en Río de Janeiro (en 1967), inició su carrera en Cine en 1987 (como productor) y fue en 2002 cuando comenzó a ver su nombre proyectado con más énfasis dentro de este mercado (con el lanzamiento de la película Autobús 174) y atrayendo la atención de muchos productores (que comenzaron a ofrecerle nuevos guiones para que los dirigiera). El éxito estelar llegó en 2007, tras el lanzamiento de Tropa de Élite (éxito que le valió muchos premios) y volvió a ocurrir cuando lanzó la secuela, en 2010. La proyección internacional ganó notoriedad cuando dirigió la nueva versión de Robocop.

Graduado en Administración de Empresas (Universidad PUC), Padilha también agregó a su plan de estudios, Economía Política, Literatura y Política Internacional (en la Universidad de Oxford). Todo esto, combinado con su conocimiento técnico del Cine, lo convierte en uno de los nombres más influyentes e importantes dentro del Cine Brasileño. Ninguna lista (de buenos directores nacionales) es justa y confiable si su nombre no está presente, porque realmente es un director que necesita y debe ser recordado. Además de trabajar como director (incluyendo Documentales y Series de TV), su talento abarca las áreas de producción y guión. Un talento con sello brasileño.

Esta publicación es mi primera participación en este concurso , que se promueve en una asociación entre las comunidades OCD y Movies & TV Shows.


Tropa de Elite - 1 & 2: O retrato nojento da corrupção brasileira bem diante de seus olhos.

Uma das coisas que eu mais admiro na Sétima Arte, é a liberdade de expressão e a manutenção do direito inviolável que é devida a cada um dos profissionais que trabalham nesse mundo incrível (sejam eles diretores, roteiristas, atores / atrizes, produtores, músicos, escritores e demais profissionais). Todos, cada um deles à sua própria maneira, se esforçam para externalizar seus pontos de vista através dos mais diversos tipos de assuntos e por mais que essa tão sonhada (e inspiradora) realidade ainda tenha muitos obstáculos a serem vencidos... Definitivamente, tudo está bem melhor do que em décadas anteriores (onde a censura nefasta atacava todos os projetos que estivessem "fora dos padrões" da época). Felizmente as coisas estão mudando... Vivemos com uma maior amplitude de pensamentos e por causa disso construímos uma nova (e forte) sociedade.

Eu escolhi Tropa de Elite (1 & 2) como os melhores filmes brasileiros (na verdade, eles são apenas uma opção dentre tantas outras opções, como Central do Brasil ou Cidade de Deus) porque eu quero e preciso criticar o meu país dentro desse âmbito de corrupção incontestável que vem dominando o território nacional por tantos anos. No trama, o telespectador acompanha o difícil trabalho do Capitão Nascimento, um integrante das Forças Especiais da Polícia Militar do Rio de Janeiro (o estado faz parte do ranking que elege o grupo de estados mais corruptos do país), enquanto ele treina novos recrutas para sucedê-lo em um futuro próximo. Esse é o ponto de partida da trama, que rapidamente se aprofunda em questões que são muito urgentes as necessidades de um povo que todos os dias, é negligenciado (todas as formas possíveis) pelos poderes políticos do país.

Mergulhando em uma triste (e profunda) realidade do Brasil, não foi por acaso que José Padilha (junto com Rodrigo Pimentel e Bráulio Mantovani) optou pelo Rio de Janeiro. Todo tipo de ideia que atenta contra os direitos mais básicos do povo brasileiro vive lá, sendo alimentado por um nível de prática criminosa de causar inveja aos políticos mais corruptos de outros países. Uma realidade que obviamente não é uma exclusivade do Rio de Janeiro em si (porque afeta o país de um jeito generalizado, como um vírus incontrolável), mas que ganha mais destaque devido a esse estado ser o principal cartão postal que vende o Brasil (turisticamente falando, é claro) para o cenário internacional (usando uma das Sete Maravilhas do Mundo Moderno - Cristo Redentor - e as belas praias como atrativos principais). No entanto, nos bastidores, a corrupção impera.

O trio de roteiristas (mencioandos acima) trabalhou para criar esse filme com base nos relatos de ex-policiais do BOPE. Essa unidade é conhecida por ser (pelo menos em tese) incorruptível e muito violenta em determinados tipos de situações. Além disso, eles também utilizaram os fatos reais de corrupção que assolam a sociedade carioca em diversas camadas (seja ela rica ou pobre em sua essência, porque o crime mostra que ele não escolhe um lado... é lado quem o escolhe) e joga na tela uma explosão de indignação, onde é impossível não se sentir decepcionado de fazer parte desse país (pelo menos em algum momento, especialmente para quem vive no estado do RJ, e sente tudo aquilo que está sendo mostrado no filme, na própria pele). Trata-se da abordagem forte de elementos reais, que foram cinematograficamente retratados com o objetivo de causar incômodo.

Desde o mais alto escalão (que envolve toda os integrantes dentro do escopo político), até uma equipe que é vista como "subordinada" (basicamente, os líderes das favelas), o roteiro não tem a menor intenção de amenizar nenhum dos lados, mesmo porque ambos trabalham juntos e reforçam, com veemência, o inacreditável nível de corrupção que existe no país. Enquanto o lado político articula para conseguir mais poder e dominar nas camadas superiores... No lado oposto, a força acontece para dominar as camadas inferiores (e que atingem a maior parte da população). Porém, em algum momento, esses dois lados precisam encontrar uma maneira de se unirem, para conseguir realizar movimentos mais audaciosos na tentativa de conseguir alçar vôos mais altos. Um ato em decorrência da pluralização de ideias deturpadas que eles tem em busca de cada vez mais poder.

Gradualmente, o filme mostra como o Capitão Nascimento e os seus recrutas (em especial, Matias e Neto... porque é através da interação deles que a trama ganha mais forma e peso) enfretam os desafios diários de uma profissão que é extremamente desvalorizada aqui no Brasil (e inclusive em aspectos financeiro, porque os baixos salários são um problema extra em meio aos problemas, que parecem ser intermináveis). Tudo começa a ficar pior quando elesse dão conta de que ha uma verdadeira rede de corrupção acontecendo bem debaixo dos seus narizes e como o alcance delas é potencialmente perigoso para todo o estado (e obviamente para o país), eles se sentem no dever de lutar contra isso usando as suas próprias armas (alimentadas pelo senso de justiça que eles demonstram ter durante todo o filme). Esse é o ponto de interseção do roteiro, onde tudo muda.

Tendo que lidar com ambos lados, Nascimento precisa equilibrar a situação ao enfrentar o que é prioridade no seu trabalho (treinar os recrutas vs. combater a corrupção do sistema onde ele é apenas uma "isca") e enquanto no primeiro filme o foco era mostrar como era o funcionamento do BOPE em sua estrutura interna (tendo como destaque o treinamento e o combate nas favelas), uma onda de novos eventos nos segundo filme abraçam de vez a questão da corrupção, no alto escalão (que está cada vez mais enraízado com líderes de outras instâncias, como a mídia falada), e ao mesmo tempo, entre os cantos mais obscuros das favelas (envolvendo líderes do governo dentro e fora de suas atividades de trabalho oficiais). Os filmes são complementares, focando na saga e na determinação do Capitão Nascimento em querer mudar o sistema do país, ao mesmo tempo em que tenta lidar com à sua vida pessoal.

Nos dois filmes é notória a ligação entre os poderes que agem contra os interesses da nação, e isso é utilizado com muita força dentro do roteiro e nos faz questionar como um sistema pode e consegue ser tão sujo. Em alguns momentos, a lealdade com os acontecimentos no mundo real traz uma atmosfera tão real que a "ficção" até parece uma brincadeira exagerada (quando na verdade, é a realidade sendo contada da maneira mais brutal com a intenção de chocar o telespectador) e que foi pensada por uma mente derrotista e que não acredita no futuro de um país. A química de uma trama como essa é explosiva e durante os dois filmes, entre o ótimo desenvolvimento que os personagens vão conseguindo (com Nascimento evoluindo de Capitão para Chefe de Segurança de um estado), e a inclusão de aspectos cada vez mais espinhosos (reforçando ainda mais o pensamento de que o Brasil é realmente um país consumido pela corrupção), o abismo fica ainda maior.

A arte "imita" a vida de uma maneira assustadora e tudo fica ainda mais tenso porque quem vive no Brasil, sabe que não existe nenhum exagero em tudo o que está sendo mostrado. O controle em instâncias políticas em troca de favores ilícitos, a triste realidade das favelas que precisam se submeter aos comandos dos líderes para poder comprar comida, gás ou água, a privação que os cidadãos tem que aceitar em torno dos seus próprios direitos (apens para atender aos desejos e ganâncias dos políticos), o sistema hierárquico dentro da polícia que privilegia as pessoas em situações absurdas e altamente questionáveis (por serem obviamente erradas, mas que não ganham peso para serem contestadas pelos elos mais fracos... fazendo prevalecer uma cultura antiga na sua base, ouve apenas os oficiais mais antigos) e os dramas de quem tenta lutar contra isso.

Dirigido por José Padilha com uma habilidade cirúrgica (a visão dele sobre os fatos é brutal e envolvente), Tropa de Elite tem um ótimo elenco (que é liderado por Wagner Moura, mostrando um poder de atuação incrível) e também é bem produzido em seus aspectos técnicos: a edição que os filmes tem é cuidadosa (e faz questão de ligar os acontecimentos), a trilha sonora é potente e as cenas de ação são baseadas no realismo total (sendo ainda mais instigantes por não usarem o aparato da tecnologia que geralmente encontra apoio em efeitos especiais digitais... aqui, uma noção do mundo real é feito com efeitos práticos, como tiros e explosões). Uma verdadeira obra de arte que o Brasil conseguiu fazer dentro da Sétima Arte e quem sem dúvidas de ser apreciada em qualquer lugar do mundo (tanto pela sua qualidade técnica, como pela sua representatividade.

Sobre o diretor:

José Padilha é um cineasta autenticamente brasileiro. Nascido no Rio de Janeiro (em 1967), ele iniciou à sua carreira no Cinema em 1987 (como produtor) e foi em 2002 que ele começou a ver o seu nome projetado com mais ênfase dentro desse mercado (com lançamento do filme Ônibus 174) e atraindo à atenção de muitas produtoras (que passaram a oferecer a ele novos roteiros para ele dirigir). O sucesso estelar surgiu em 2007, depois do lançamento de Tropa de Elite (um sucesso que lhe rendeu muitos prêmios) e aconteceu novamente quando ele lançou a sequência, em 2010. A projeção internacional ganhou notoriedade quando ele dirigiu à nova versão de Robocop.

Graduado em Administração de Empresas (pela PUC), Padilha também acrescentou ao seu currículo, Economia Política, Literatura e Política Internacional (na Universidade de Oxford). Tudo isso, aliado aos seus conhecimentos técnicos sobre Cinema, fazem dele um dos nomes mais influentes e importantes dentro do Cinema Brasileiro. Nenhuma lista (de bons diretores nacionais) é justa e confiável se o nome dele não estiver presente, porque ele é realmente um diretor que precisa e deve ser lembrado. Além de trabalhar como diretor (incluindo Documentários e Séries de TV), os seus talentos abraçam as áreas de produção e roteiro. Um talento com o carimbo brasileiro.

Esse post é minha primeira entrada neste concurso , que está sendo promovido em uma parceria entre as comunidades OCD e Movies & TV Shows.

17 Comments